Search
Close this search box.

OPINIÃO: ATAQUE HACKER AO STJ SERVE DE ALERTA PARA PF REFORÇAR QUADROS DE TI

 

A Comunicação da Pública Central do Servidor através de uma integração entre as Comunicações das Entidades Filiadas em todo o país, inicia uma série de matérias propostas entre as mesmas, aumentando assim a rede de notícias de grande interesse para os servidores públicos e para a sociedade brasileira. A iniciativa da Pública visa aumentar a visibilidade das Entidades, multiplicando assim as informações relevantes para todo o Brasil e o Presidente Gozze tem em seu radar uma união forte de todas as Comunicações, a partir de dois encontros já realizados com esse propósito. 

A primeira matéria desta série é proposta pela Comunicação Social do SIMPEC PF

A onda de ataques hackers que assolou diversos órgãos públicos ao longo da semana — inclusive paralisando as atividades do Superior Tribunal de Justiça (STJ) —, deixa um recado importante para a Administração Pública: para não ficar refém dos cada vez mais frequentes crimes cibernéticos, o Poder Público precisa ampliar investimentos em segurança e tecnologia da informação.

Trata-se de uma área estratégica, até hoje negligenciada em muitos órgãos públicos — por incrível que pareça, a Polícia Federal está entre essas instituições. Apesar da demanda crescente por profissionais da área de Tecnologia da Informação (TI), inexiste hoje na PF cargo específico do setor. Para suprir a lacuna, o órgão atualmente ou releva desvios de função ou opta por terceirizar essa mão de obra — algo que amplia os riscos de vazamentos.

O problema não é novo, tampouco desconhecido da PF. Em seu relatório de Auditoria Anual de Contas da PF de 2012, a Controladoria Geral da União (CGU) apontou preocupação com a inexistência de sistema adequado de controle de riscos nos programas eletrônicos geridos pela corporação. Para contornar o problema, a CGU recomendava à PF, já naquela época, a criação de cargo específico para a área de TI (cujos ocupantes deveriam passar por capacitações periódicas), sugestão que ainda não saiu do papel.

Para piorar o cenário, o único cargo da PF que possuía atribuições afeitas à área de TI (Agente de Telecomunicações e Eletricidade, apelidado “ATE”) teve sua extinção decretada pelo Governo Federal em 2010, processo que a PF vem tentando reverter desde então. “Com essa decisão injustificável, a PF ficou impedida de repor as vacâncias do cargo de ATE”, explica João Luis Rodrigues Nunes, presidente do SinpecPF, sindicato que representa os servidores administrativos da PF. “Assim, quando um servidor da área se aposenta, fica uma lacuna no órgão”.

Responsáveis pela instalação dos equipamentos de comunicação e radiocomunicação utilizados pela PF em suas operações, os ATEs sempre tiveram atuação estratégica na corporação. Sem eles, o órgão seria obrigado a recorrer à serviços de terceiros (inclusive de companhias telefônicas), ficando mais exposto à interceptação de dados sigilosos.

Na avaliação do SinpecPF, os ataques desta semana precisam colocar a PF em estado de alerta. “Ninguém sabe quem será o próximo alvo. Devemos estar preparados”, avalia João Luis, recomendando empenho do órgão na criação de cargo específico da área de TI e na reversão da extinção do cargo de ATE. “Tratam-se de passos fundamentais rumo ao fortalecimento da nossa segurança de informação”, garante.  (Fonte: Simpec PF)

Sobre a Entidade SIMPEC PF

Fundado em 20 de setembro de 2005, o SINPECPF (Sindicato Nacional dos Servidores do Plano Especial de Cargos da Polícia Federal) nasceu para defender os interesses dos servidores do recém-criado Plano Especial de Cargos da Polícia Federal – PECPF, instituído pela Lei n° 10.682, de 28 de maio de 200. É fruto do desejo dessa categoria em ver suas bandeiras empunhadas por entidade própria, formada por iguais e comprometida com os mesmos ideais.

O SINPECPF tem como missão promover a valorização profissional dos servidores do PECPF ativos, aposentados e pensionistas, bem como a do próprio Departamento de Polícia Federal. Para tanto, atua como representante legal da categoria administrativa perante os poderes constituídos e a sociedade, difundindo interna e externamente informações, orientações e opiniões que expressem o importante papel desempenhado pelos servidores administrativos da Polícia Federal na área de segurança pública.

 Integração das Comunicações 

Comunicação/Cal/Pública/2020 

 

 

 

 

Compartilhe essa notícia
Últimas notícias da categoria:
Criação do INPSU – Instituto Nacional do Regime Próprio de Previdência Social da União
28 de setembro de 2023
Senado vai contra STF e aprova marco temporal para demarcações de terras indígenas
28 de setembro de 2023
É Plano de Carreira ou greve! Servidores do meio ambiente aprovam paralisação geral dia 28/9
26 de setembro de 2023
Filie-se

Traga sua entidade para a Pública

Faça parte da Central dedicada exclusivamente ao Serviço Público.

A filiação à Pública garante participação em um grupo forte, coeso, que compartilha dos mesmos ideais e objetivos em uma rede de proteção dos serviços públicos e dos servidores brasileiros.

Inscreva-se em nossa

Newsletter

Receba nosso conteúdo informativo diretamente em seu e-mail